TONY AMADO

biografia

O Rei do Kuduro

BIOGRAFIA

TONY AMADO


ILK
ILOVE
KUDURO

Tony Amado, muitas vezes referido como o “Rei do Kuduro”, é uma figura icónica no mundo da música Kuduro. Nascido e criado em Malanje, província de Angola, a jornada de Amado no mundo da música começou ainda jovem. Inicialmente, ele prosseguiu estudos acadêmicos em Medicina e até se interessou por futebol antes de ser atraído para o vibrante mundo da música.

A primeira incursão de Amado na música foi como dançarino, mostrando o seu talento em vários estilos de música popular angolana como semba, sungura, kilapanga, techno americano e samba. Sua criatividade e paixão pela dança o levaram a criar diversos estilos de dança, incluindo açucar, kuduro, oba, gato preto, mbrututu, jaracujá, xica da silva, jacobino, underground e tuga. No entanto, foi a dança kuduro que ganhou grande popularidade e se tornou sinônimo de seu nome.

Após um longo período de ausência dos palcos e silêncio na produção, Tony Amado está de volta com novidades emocionantes para seus fãs. Vai apresentar um trabalho discográfico que traça a sua trajectória discográfica intitulado “Kuduro + Angola”. Conhecido no meio artístico como o “Rei do Kuduro”, Amado tem mais surpresas reservadas para além deste álbum.

Apesar dos desafios que enfrentou, incluindo casos de impedimento de actuar na sua província natal, Amado continua comprometido com a sua arte. Continua a ser uma figura significativa no panorama musical do Kuduro, encarnando o espírito de resiliência e criatividade que caracteriza este vibrante género musical. O seu percurso serve de inspiração para futuros artistas e um testemunho do poder transformador da música Kuduro.


A influência de Amado na música Kuduro vai além das suas criações de dança. Ele é creditado por criar o próprio género de música Kuduro, uma proeza que lhe rendeu respeito e reconhecimento internacional. O seu primeiro álbum foi gravado em Boston, EUA, onde até recebeu uma proposta para construir uma carreira no país conhecido pela sua vibrante cena de rap.

Durante a guerra civil angolana, Amado atuou em “campos de batalha” para trazer alegria e entretenimento às zonas de conflito. Apesar dos perigos, ele era movido pela sua paixão em mostrar a música Kuduro. “A guerra parou para ver Tony Amado”, recorda ele, destacando o poder transformador da sua música.